VOCÊ É RESPONSÁVEL POR SUA SEGURANÇA - CAVERNAS

O excesso de confiança e a utilização inadequada de equipamentos são as causas mais frequentes de acidentes. Se você pensa que é capaz de se expor a riscos e sair ileso de qualquer situação, será um forte candidato a um acidente.

O deslocamento em ambiente subterrâneo pode ser muito extenuante, em especial quando há muitos trechos com água. Não é raro necessitar de força e habilidade para vencer os obstáculos naturais. Caso não esteja em boas condições físicas para suportar horas de esforço contínuo, reveja seus planos. Se você está exausto, também está muito mais propenso a cometer erros de julgamento, errar ao montar um sistema de segurança, perder o caminho ou, simplesmente, tropeçar e cair sofrendo algum tipo de acidente que não ocorreria em condições normais. Também estará expondo seus companheiros ao risco de acidentes.

Em contato com a água o corpo perde calor muito rapidamente exigindo movimentação constante, vestimentas adequadas e reposição de calorias (alimentação). Inadequadamente vestido e agasalhado você será um forte candidato a hipotermia, condição em que seu corpo perde mais calor do que consegue produzir, podendo levar a morte se não for revertida a tempo. Pessoas muito magras devem tomar mais cuidado, por apresentarem maior propensão a hipotermia. Em cavernas quentes o risco é de intermação - o aumento da temperatura corporal - e desidratação, igualmente perigosas.

Vencer obstáculos que necessitem de técnicas verticais como rapel e ascensão por cordas só deve ser realizado com o auxílio de pessoas treinadas e equipamento específico para cavernas, que pode ser diferente dos equipamentos para atividade vertical ao ar livre. Se forem indevidamente aplicadas ou praticadas com equipamentos inadequados, essas técnicas facilmente causarão tragédias.

O salvamento em cavernas é extremamente complexo,  podendo levar muitos dias e exigir um número elevado de participantes, o que nem sempre é fácil de reunir. Em muitos lugares, sequer existem equipes preparadas e mobilizadas para o resgate em cavernas. Como nesses eventos a prioridade será manter a vida humana, o grupo de resgate poderá causar muitos impactos significativos que, frequentemente, são proporcionais à dificuldade de evacuação e tratamento das vitimas. Portanto, não se arrisque sem necessidade!

 

Nunca entre sozinho em uma caverna. Esta é uma regra elementar de segurança em ambientes com maior potencial de risco. O ideal é formar um grupo com três ou quatro pessoas.

 

Calcule o tempo de sua atividade e deixe sempre um roteiro com alguém de confiança e com a administração da área (quando houver) informando, por escrito, que caverna vai visitando, seus objetivos, sua experiência, o nome dos integrantes do grupo, o equipamento que vocês estão levando e a data e horário previsto para o retorno. Estas informações facilitarão e abreviarão muito a chegada de uma equipe de auxílio e resgate, em caso de necessidade.

 

Esteja preparado para qualquer situação.

Calcule o número de horas que você permanecerá na caverna e leve água, alimentos, carbureto e pilhas suficientes para exceder em 50% o tempo de permanência que foi planejado, prevenindo atrasos e contratempos que poderão por seu grupo em risco, caso não leve esse excedente. Esta proporção pode ser alterada conforme o tipo de dificuldade que se espera encontrar. Se a caverna é toda percorrida por um rio não há necessidade de muita água. Para uma caverna seca e em região quente, levar em dobro o volume de água necessária é um importante fator de segurança.

Muitos espeleólogos possuem um pequeno conjunto de itens guardados em embalagem estanque para atender emergências. Costumam compor este kit: lanterna pequena e estanque, pilhas reserva, velas, isqueiro, fósforos, papel, lápis, algum alimento energético, apito, canivete, cobertor de emergência, entre outros itens, conforme a preferência pessoal.

Lembre-se que em cavernas molhadas ou em regiões mais frias um agasalho é indispensável. Esse agasalho deve ser confeccionado de material que mantenha o seu corpo aquecido mesmo se estiver molhado. Muitos espeleólogos utilizam trajes de neoprene para mergulho ou surfe, que permitem manter o calor do corpo durante longos períodos dentro da água. São muito eficientes, porém pesados e muito quentes quando usadas fora da água. Para entradas rápidas na água prefira os agasalhos de fibras sintéticas conhecidos como plush ou pile. São materiais bastante leves e eficientes que não retém água. O náilon grosso costuma ser o material para o traje externo, os macacões de caverna. Lembre-se que você passará muitas horas molhado. Evite agasalhos de algodão, tipo moletom, que quando molhados pesam muito, perdem toda capacidade de reter o calor de seu corpo e demoram muito para secar.

Nas explorações de cavernas desconhecidas (não exploradas ou não mapeadas) redobre os cuidados. Não assuma atitudes de risco. Em locais de difícil orientação como bifurcações e desmoronamentos não faça marcas definitivas para indicar o caminho, prefira levar um conjunto de fitas plásticas, de cores vivas. Lembre-se que todas as fitas deverão ser retiradas no retorno ou durante a topografia. Pense muito antes de deixar uma marca de caminho de difícil remoção. Tenha certeza que é o caminho certo e a marcação está colocada em local visível. Evite o uso excessivo de marcas, dispondo-as apenas onde forem indispensáveis.

Tenha certeza de que você dispõe do equipamento apropriado e leve sempre os itens essenciais.

O uso de capacete não é opção, é uma necessidade, alem de suportar o sistema de iluminação é item indispensável de segurança. Há muitos tipos no mercado, informe-se com espeleólogos e em lojas especializadas.

Um item fundamental para quem se aventura nas cavernas é a fonte de luz. Mas esta fonte de luz pode ser também uma grande fonte de impactos para a caverna.

Muitos espeleólogos utilizam a luz de acetileno, gás produzido pela reação da água com o carbureto. Este tipo de iluminação, mais difusa, permite uma visão ampla e confortável. Porém, seu uso tem é proibido, pois gera fuligem que impregna a superfície da caverna, principalmente em salões com tetos baixos. Além disso, gera uma grande quantidade de resíduo, a cal, que nunca deve ser deixada no interior de uma caverna. Em função dos subprodutos indesejáveis dessa queima, a iluminação deve ser elétrica, por ser menos trabalhosa e não formar detritos. Lembre-se: nunca pilhas na caverna.

Equipamentos para vencer obstáculos verticais como cordas, mosquetões e aparelhos de decida devem ser especialmente fabricados para uso em cavernas. Evite improvisações ou adaptações. Por exemplo: cordas de escalada são totalmente desaconselhadas para técnicas verticais em caverna e não são fabricadas para suportarem as duras condições de abrasão e umidade comuns nesses ambientes.

Evite Instalar ancoragens (meios de fixação na rocha) em excesso, mas sem sacrificar a segurança. Prefira pontos de ancoragem naturais. Adquira o equipamento adequado e saiba usá-lo corretamente para garantir a sua segurança e a integridade do ambiente cavernícola.

Tenha sempre mais de uma fonte de luz disponível. Entrar somente com uma lanterna ou lampião em qualquer caverna é assumir um grande risco, pois qualquer falha do equipamento pode significar a sua vida. Além da iluminação presa ao capacete, é comum dispor de uma lanterna de mergulho na cintura ou pendurada no pescoço, completamente estanque, com luz intensa e concentrada para iluminação de grandes distâncias e como alternativa à fonte principal. Na mochila, é comum encontrar mais uma ou duas lanternas e estoque de pilhas para 50% além do tempo de permanência prevista na caverna. Sempre que utilizar uma lanterna de mão ate-a ao seu corpo com um cordim forte e com um nó que não abra acidentalmente. Deixar cair, quebrar ou perder a sua lanterna pode ser muito inconveniente e arriscado, além de poluir a caverna.

Não utilize lampiões volumosos e pesados que não possam ser transportados em uma mochila pequena. A possibilidade de caírem e se quebrarem é grande. Os mais indicados são os lampiões compactos que utilizam cartuchos de gás descartáveis ou elétrico. Mas, lembre-se de sempre trazer os cartuchos vazios e pilhas de volta para serem descartados em local adequado.

Caso você não tenha experiência em cavernas, entre em contato com grupos espeleológicos, centros excursionistas, empresas de ecoturismo, guias ou condutores de visitantes da região, que apresentem experiência comprovada

Realização:

Centro Excursionista Universitário 

WWF.jpg

Apoio:

CEULogo.png
  • Facebook
  • Instagram
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now