PLANEJAMENTO É FUNDAMENTAL - CORRIDA DE AVENTURA

O planejamento das corridas deve ser sempre realizado em conjunto com os responsáveis pelas áreas e devem incluir pessoas que possuam um bom conhecimento sobre as características do local (tipo de vegetação, topografia, riscos, rotas de evacuação em caso de emergência, etc).

Planejar corridas de aventura é uma atividade especializada que requer conhecimento e experiência. No Brasil, essas corridas se diferenciam e ganham notoriedade com a tendência crescente de misturar competição com ações de caráter sócio-ambiental. Para efetivamente alcançar os objetivos sócio-ambientais é muito importante que as comunidades por onde passa a corrida sejam envolvidas desde o início. Para que haja uma real integração dessas comunidades, seus representantes devem atuar desde a fase de planejamento. Essa integração também é de interessante para a organização da corrida, que pode contar com o conhecimento da comunidade sobre a região, como, por exemplo, os locais mais remotos, localização e destino das trilhas, caminhos e estradas vicinais, entre outros.

As ações de envolvimento das comunidades podem incentivar a formação de equipes locais para a competição. Sempre que possível, a organização da prova deverá contratar pessoal e serviços locais, tanto no período de levantamento e planejamento, quanto durante a prova.

Muitas das etapas de uma corrida de aventura passam por ambientes naturais de interesse para a conservação dos ecossistemas. Nesses locais, o planejamento da corrida deve incluir ressalvas e regras mais rígidas para garantir a preservação do ambiente natural.

Em áreas protegidas por lei, os funcionários das instituições governamentais responsáveis por unidades de conservação também são importante fonte de informação sobre a área e podem ajudar muito no planejamento da corrida fornecendo informações sobre os locais que devem ser evitados porque são mais sensíveis ao impacto.

Um conjunto de ações para prevenir o impacto das competições deve ser adotado pelos organizadores das corridas. O ideal seria que esse conjunto de medidas pudesse ser certificado por um selo de qualidade sócio-ambiental, aumentando o prestígio dessas competições.

Ações de logística de prova.

A escolha dos percursos da prova deve ser precedida de uma análise prévia de impacto ambiental. A localização dos postos de controle e áreas de transição de modalidades dever ser escolhida de forma a condicionar a passagem das equipes por sistemas de trilhas e trajetos previamente reconhecidos pela organização da prova.

Os percursos escolhidos para a prova devem utilizar, preferencialmente, sistemas de trilhas já existentes e com uso corrente (tráfego habitual pessoas, animais de carga e montaria, gado e veículos motorizados), onde a passagem da prova não contribua significativamente para o aumento do impacto ao meio.

Durante a prova, um sistema de escalonamento por tempo determina diferentes percursos para diferentes categorias de competidores, dispersando o impacto por trajetos e trilhas diferenciados. Desse modo, nas áreas identificadas como mais sensíveis, o trajeto é realizado apenas a pé e por número reduzido de equipes. O número de participantes das corridas deve ser limitado e compatível com a fragilidade dos percursos escolhidos e a capacidade de controle da prova.

Ações educativas.

Todos os participantes da competição, tanto os integrantes da organização como os competidores, equipes de apoio, mídia, comunidades envolvidas e outros, devem receber antecipadamente informações sobre os princípios e as práticas de mínimo impacto.

Esse tema deve estar presente em todas as etapas de planejamento, no treinamento da equipe de organização, na elaboração do material informativo, no material fornecido aos os competidores e onde mais for pertinente.

A equipe interna das empresas organizadoras de corridas de aventura deve ser proficiente nas técnicas de mínimo impacto e comprometida a transmitir esse conhecimento aos participantes das corridas.

Uma sugestão interessante é submeter as equipes a um teste teórico a respeito dos princípios de mínimo impacto previamente à competição. O resultado do teste poderia contar pontos para a corrida.

Ações de fiscalização e controle.

O regulamento de prova deve incluir regras de comportamento baseadas nos princípios de mínimo impacto, com punições severas para o descumprimento das mesmas. A equipe de fiscalização da prova deve ser instruída a verificar constantemente o cumprimento dessas regras nos postos de controle, nas áreas de transição e nas rondas de fiscalização durante a prova.

Ações para a segurança dos atletas e demais envolvidos.

É recomendável elaborar um plano de segurança para a prova, que inclua a distribuição de equipes de busca e salvamento ao longo do percurso, atuando em conjunto com órgãos oficiais de busca e salvamento, como os bombeiros e as unidades especializadas da polícia. A organização da prova também deverá definir e fiscalizar os equipamentos de segurança obrigatórios para as equipes de competidores.

Ações para evitar conflitos.

Durante o período de reconhecimento para a prova deve ser realizado o contato com as lideranças locais e os proprietários de terras, explicando de que se trata o evento e solicitando autorização para passagem em áreas particulares.

Estude as características climáticas do local da corrida e evite realizar provas nos períodos críticos.

Os organizadores das provas devem estudar antecipadamente as características climáticas da área escolhida para a corrida e evitar o período das chuvas, quando há maior ocorrência de lama nas trilhas, aumentando a probabilidade de impactos no solo e na vegetação. Os meses de maior seca também podem representar um problema, caso os participantes dependam de água advinda de fontes naturais.

Esteja preparado para trazer de volta o lixo que você produzir.

Tenha sempre à mão alguns sacos plásticos para embalar seu lixo. Como a ordem é correr leve, você deve se preparar para produzir o mínimo lixo possível deixando em casa embalagens desnecessárias a conservação dos alimentos. Aproveite também para misturar ingredientes previamente e acondicioná-los em uma única embalagem. Lembre-se que em algumas provas há uma checagem sobre o lixo ao final da corrida.

Realização:

Centro Excursionista Universitário 

WWF.jpg

Apoio:

CEULogo.png
  • Facebook
  • Instagram
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now