PLANEJAMENTO É FUNDAMENTAL - CAMINHADAS E ACAMPAMENTOS

Entre em contato prévio com os responsáveis pela área que você vai visitar para tomar conhecimento dos regulamentos e restrições existentes.

As áreas naturais protegidas no Brasil são administradas por instituições federais (IBAMA), estaduais (por exemplo, o Instituto Florestal no Estado de São Paulo) ou municipais (Secretarias Municipais do Meio Ambiente) que são responsáveis por algumas unidades de conservação como os Parques Nacionais ou Estaduais, locais muito procurados por ecoturistas e excursionistas em geral. Também existem locais que não estão sob a responsabilidade direta do poder público, como as Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN's) e outras áreas naturais de propriedade privada.

Devido às particularidades de cada lugar, os regulamentos variam e por isso você deve procurar antecipadamente informações como os dias abertos à visitação, a necessidade de autorização prévia para percorrer trilhas, para acampar, ou para outras atividades. Essa atitude deve ser adotada para qualquer área natural, mesmo que não seja uma unidade de conservação, como um parque nacional ou estadual.

Embora muitas vezes não seja fácil obter essas informações, você deve persistir, pois quanto mais visitantes perguntarem por informações, mais estas estarão disponíveis. Procure os escritórios locais das instituições governamentais responsáveis para obter informações oficiais. Outras boas fontes são as publicações especializadas (guias e revistas) websites, clubes excursionistas, lojas de equipamentos, ONG's e guias locais.

Sempre que você utilizar os serviços de uma agência de ecoturismo, de guias ou meios de hospedagem, certifique-se que eles adotam técnicas e práticas de mínimo impacto. Procure também utilizar a infra-estrutura e os serviços locais, prestigiando a comunidade e colaborando para fortalecer o turismo de base local.

Informe-se sobre as condições climáticas do local e consulte a previsão do tempo antes de qualquer atividade em ambientes naturais.

Estar preparado para as condições específicas de clima, como as variações de temperatura em cada local, é fundamental para que você aproveite ao máximo sua visita, diminua seu impacto no ambiente e também o risco inerente às atividades ao ar livre.

Estude antecipadamente as características climáticas do local que você vai visitar (como os meses em que faz mais frio, os que recebem mais chuva, ou os períodos de estiagem, quando a falta de água pode ser um problema) e prepare-se levando os equipamentos adequados para cada situação. Caso sua atividade inclua acampamentos, um bom isolante térmico para forrar o chão de sua barraca não pode ser esquecido, seja no frio ou no calor. Tenha certeza de que você possui roupas e agasalhos adequados para o clima e um bom saco de dormir, se sua viagem tiver como destino regiões frias ou altas.

Procure evitar as épocas chuvosas, quando a ocorrência de lama nas trilhas e áreas de acampamento é maior, aumentando a probabilidade de impactos no solo e na vegetação.

Viaje em grupos pequenos. Grupos menores se harmonizam melhor com a natureza e causam menos impacto.

Planeje e organize sua visita sempre em grupos pequenos, pois tudo fica mais fácil, principalmente praticar o mínimo impacto. Grupos pequenos são mais silenciosos, mais fáceis de administrar e acomodar. A experiência mostra que o ideal são grupos de até 10 pessoas.

Caso o seu grupo exceda essa recomendação, organize-o com um número maior de responsáveis ou guias com boa experiência e conhecimento do local, de forma a poder dividir o grupo durante a caminhada, acampar em áreas diferentes, além de manter uma boa supervisão durante todo o tempo.

Grupos grandes devem evitar as áreas mais primitivas, procurando restringir suas atividades a locais que ofereçam infra-estrutura de uso intensivo como banheiros, lixeiras, acesso facilitado e alguma estrutura de hospedagem, como abrigos ou áreas de acampamento organizadas.

Evite viajar para as áreas mais populares durante feriados e férias.

As férias e feriados prolongados são os períodos mais procurados pelos visitantes de áreas naturais. Consequentemente, engarrafamentos, acampamentos lotados, trilhas cheias, água contaminada, pessoas perdidas e conflitos são frequentes nesses dias. Para ter uma experiência mais enriquecedora e agradável e evitar impactos na natureza, aos outros visitantes e aos moradores locais, procure organizar sua visita em dias de semana e nos meses menos procurados.

Caso você só tenha o feriado ou o período de férias escolares para viajar, uma boa alternativa é procurar locais menos visitados e populares.

Certifique-se que você possui uma forma de acondicionar seu lixo em sacos plásticos, para trazê-lo de volta.

O planejamento e a preparação são fundamentais para diminuir a quantidade de embalagens desnecessárias levadas ao campo e assim reduzir a quantidade de lixo.

Tenha sempre à mão sacos apropriados para acondicionar o lixo. Na maioria das vezes, os visitantes terminam sua viagem em pequenas localidades que têm muita dificuldade em manejar o lixo. Assim, esforce-se para levar o lixo que você mesmo produziu, ou aquele que coletou pelo caminho, para um local que tenha coleta organizada e que encaminhe os resíduos para a reciclagem ou para um aterro sanitário apropriado.

Caso você use embalagens de plástico de boa qualidade tente conservá-las para usar novamente em suas próximas viagens. Reutilizar e reciclar faz parte da ética de mínimo impacto.

Escolha as atividades que você vai realizar na sua visita conforme o seu condicionamento físico e seu nível de experiência.

As atividades que você e seu grupo planejam realizar devem ser compatíveis com a sua experiência anterior, com as técnicas que você domina, com os equipamentos que você possui e com o seu condicionamento físico. Realizando atividades dentro dos seus limites você poderá aproveitar melhor a sua visita e minimizar os impactos na natureza. Caso você tenha dúvidas sobre o nível de dificuldade de uma determinada atividade, procure informações confiáveis em clubes excursionistas, revistas especializadas ou instituições responsáveis pela administração da área.

O planejamento de uma caminhada está condicionado a diversos fatores, entre eles o número de dias que se pretende passar em campo e o tipo de ambiente visitado.

Planejar o percurso que será percorrido a cada dia é importante para reservar energia suficiente, de modo a estar disposto a levar em consideração as práticas de mínimo impacto, quando você montar acampamento, por exemplo. A fadiga e a falta de luz não devem pegar você e seu grupo despreparados ao final do dia, pois não são desculpas para negligenciar as práticas de mínimo impacto.

Você deve planejar com cuidado o que vai carregar em sua mochila, pois isso significa peso nas suas costas. Sabendo o número de dias que se pretende passar em campo e o tipo de ambiente pode-se definir o tipo de mochila a ser usada (cargueira ou de ataque), calcular a quantidade e o tipo de comida, a necessidade de carregar saco de dormir e isolante, a quantidade de água a levar etc. Para todos os casos (mesmo para as caminhadas de um dia) é muito útil elaborar cuidadosamente uma lista de itens que não podem ser esquecidos. Essa lista servirá sempre como base para qualquer caminhada que você faça.

O planejamento adequado torna sua viagem divertida e confortável, leva você a alcançar seus objetivos e a ter suas expectativas correspondidas, ao mesmo tempo em que ajuda a minimização dos impactos nos recursos naturais. O planejamento também ajuda a evitar situações inesperadas que podem estressar você, colocá-lo sob risco de acidentes e causar danos ao meio ambiente.

Realização:

Centro Excursionista Universitário 

WWF.jpg

Apoio:

CEULogo.png
  • Facebook
  • Instagram
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now